quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Verdadeira história da Chapeuzinho Vermelho e Princesas da Disney Dark!

INTERESSANTE
Todos conhecem os contos de fadas produzidos pela Disney, muitas dessas histórias em suas versões reais, são assustadoras e não são nada voltadas para o píplico infantil, pessoas morrem e não tem final feliz.
Um ilustrador fez imagens dark das princesas da Disney, como esta acima, Para ver outras ilustrações clique aqui



VERDADEIRA HISTÓRIA DE CHAPÉUZINHO VERMELHO!

Estava procurando a versão original do conto da Chapeuzinho Vermelho para ilustrá-lo, encontrei em vários sites a versão que descrevo abaixo, achei muito interessante, no site Revista Psicologia, me deparei com uma martéria expondo a opinião de uma pscicóloga caso queira ver o uma psicóloga diz sobre o conto acesse o site deles. 

Postarei somente a versão original da história:

"Neste texto, Maria Rita nos conta a verdadeira história de
 Chapeuzinho Vermelho. Na verdade a história contada antes do século XVIII, ou seja, antes que a revolução burguesa modificasse o pensamento e o comportamento ocidental, e, portanto, modificasse a história bem mais próxima do que a conhecemos hoje.

Sigo então o fio condutor da história contada por Maria Rita Kehl, ou seja, a história de Chapeuzinho contada pelos camponeses em volta do fogo, em noites de inverno europeu:

“Certo dia, a mãe de uma menina mandou que ela levasse um pouco de pão e de leite para sua avó. Quando a menina ia caminhando pela floresta, um lobo aproximou-se e perguntou-lhe onde ia:

Para a casa da vovó – ela respondeu.
Por que caminho você vai, o dos alfinetes ou o das agulhas?

- O das agulhas.

Então o logo seguiu pelo caminho dos alfinetes e chegou primeiro à casa. Matou a avó, despejou seu sangue numa garrafa e cortou sua carne em fatias, colocando tudo numa travessa. Depois, vestiu sua roupa de dormir e ficou deitado na cama, a espera.

Pam, pam !.
Entre, querida.
Olá vovó. Trouxe para a senhora um pouco de pão e leite.
Sirva-se também de alguma coisa. Há carne e vinho na copa.

A menina comeu o que lhe era oferecido e, enquanto o fazia, um gatinho disse:
- Menina perdida! Comer a carne e beber o sangue da sua avó!

Depois o lobo disse:
- Tire a roupa e deite-se na cama comigo.

-Onde ponho o avental?

- Jogue no fogo. Você não vai mais precisar dele.
Para cada peça de roupa – corpete, saia, anágua e meias – a menina fazia a mesma pergunta. 

E cada vez, o lobo respondia:
Jogue no fogo. Você não vai precisar mais dela. 

Quando a menina se deitou na cama, disse:
- Ah, vovó! Como você é peluda! - É para me manter mais aquecida, querida.

- Ah, vovó! Que ombros largos você tem! - É para carregar melhor a lenha, querida!

(...) Até que ela perguntou:
- Ah, vovó! Que dentes grandes você tem!

- É para comer melhor você, querida!

E ele a devorou”.

A história acaba aí, sem a menor menção do fim da história tal como  a  conhecemos. Sem “moral da história”, sem caçador, sem final feliz. A história de chapeuzinho é uma história de pura crueldade, desumanidade, escatologia erótica e perversa, demasiadamente perversa."


Dá medo não?


W.Borges
www.IlhadasIlusoes.blogspot.com

http://www.revistapsicologia.com.br/materias/hoje/desumano.htm

Um comentário:

The Secret Book of Mariana disse...

Ótimo post. Ouvi as verdadeiras histórias das princesas na minha primeira aula de história do Ensino Médio. Estava buscando por curiosidade e encontrei seu site :)
Obrigada pela informação!